sexta-feira, dezembro 30, 2011

Ainda se queixam

Uma família que pediu asilo político ao Canadá, acaba de ser apoiada pelos Governos Regional e Central, tanto no forcing para ficar por lá, como no regresso às origens.
E ainda se queixam...

sexta-feira, outubro 28, 2011

Incongruências

Há por aí gente que fica muito indignada, com o facto de os deputados na Assembleia da Republica fazerem uso dos computadores para acederem às redes sociais.
Por outro lado, indignam-se que apenas os funcionários públicos e pensionistas sejam abrangidos pelos cortes nos próximos anos. Queriam que os cortes, via impostos, fossem também aos privados.
Até aqui nada contra. Mas quando alguém lhes questiona se nunca usaram os computadores no trabalho para aceder a redes sociais, respondem que o computador deles não é publico, nem estão ao serviço do Estado.
É assim a justiça destes supostos comunistas/socialistas. Aplicam a doutrina deles aos outros. Quando toca aos próprios aludem ao lado privado da coisa. Incongruências...

quinta-feira, outubro 27, 2011

Amizades altruístas?

Não, não são quase nunca. E então? Quando descobrimos, normalmente acabámos. Sugestão? Este fantástico texto, que de tão certo bater com a realidade não resisti a publicá-lo.

Saber Terminar uma Amizade Indesejável

Sucede também, como por calamidade, que algumas vezes é necessário romper uma amizade: porque passo agora das amizades dos sábios às ligações vulgares. Muitas vezes quando os vícios se revelam num homem, os seus amigos são as suas vítimas como todos os outros: contudo é sobre eles que recai a vergonha. É preciso, pois, desligar-se de tais amizades —, afrouxando o laço pouco a pouco e, como ouvi dizer a Catão, é necessário descoser antes que despedaçar, a menos que se não haja produzido um escândalo de tal modo intolerável, que não fosse nem justo nem honesto, nem mesmo possível, deixar de romper imediatamente.

Mas se o carácter e os gostos vierem a mudar, o que acontece muitas vezes; se algum dissentimento político separar dois amigos (não falo mais, repito-o, das amizades dos sábios, mas das afeições vulgares), é preciso tomar cuidado em, desfazendo a amizade, não a substituir logo pelo ódio. Nada mais vergonhoso, com efeito, que estar em guerra com aquele que se amou por muito tempo.
(...) Apliquemo-nos, pois, antes de tudo, em afastar toda a causa de ruptura: se contudo, acontecer alguma, que a amizade pareça antes extinta do que estrangulada. Temamos sobretudo que ela não se transforme em ódio violento, que traz sempre consigo as querelas, as injúrias, os ultrajes. Por nós, suportemos esses ultrajes quanto forem suportáveis e prestemos esta homenagem a uma antiga amizade, de modo que a culpa caiba a quem os faz e não àquele que os sofre.
Mas o único meio de evitar e prevenir todos os aborrecimentos é não dar a nossa afeição nem muito depressa, nem a pessoas que não são dignas.

São dignos da nossa amizade aqueles que trazem consigo os meios de se fazer amar. Homens raros! De resto, tudo que é bom é raro e nada é mais difícil do que achar alguma coisa que seja em seu género perfeita em tudo. Mas a maior parte dos homens não conhece nada de bom nas coisas humanas senão o que lhes interessa e tratam seus amigos como aos animais, estimando mais aqueles de quem esperam recolher mais proveito.
Também são eles privados dessa amizade tão bela e tão natural, por si mesma tão desejável; e o seu coração não lhes faz compreender qual é a natureza e a grandeza de tal sentimento. Cada um ama-se a si mesmo, não para exigir prémio da sua própria ternura, mas porque naturalmente a sua própria pessoa lhe é cara. Se não existe alguma coisa de semelhante na amizade, não se achará nunca um verdadeiro amigo; porque um amigo, é um outro nós mesmos.

Se se vê nos animais aprisionados ou selvagens, habitantes do ar, da terra ou das águas, primeiro amarem-se a si mesmos (porque este sentimento é inato em toda a criatura), em seguida desejar e procurar seres da sua espécie, para se unir a eles (e, nessa procura mostram um afã e um ardor que não deixa de ser semelhante ao nosso amor), quanto mais essa dupla inclinação na natureza do homem que se ama a si próprio e que busca um outro homem, cuja alma se confunde de tal modo com a sua que de duas não faça mais de que uma.

Marcus Cícero, in 'Diálogo sobre a Amizade

terça-feira, outubro 25, 2011

1º Grande Trail Serra de Arga

4 horas da manhã do primeiro dia de Outono. Não o do calendário, mas o efectivo, o que trazia os sinais de que a estação do ano tinha mudado.

O despertador cumpre a sua missão e irrita-me surpreendentemente (experimentem gostar de uma música que usam para despertar) ouvir o “Start me Up” dos Stones.

Com o País a clamar por chuva, depois de um surpreendente prolongamento do Verão em Outubro, os participantes do GTSA ansiavam que ela chegasse apenas umas horas mais tarde. No relatório meteorológico que a organização da prova nos havia feito chegar, prometida estava, mas com maior intensidade, bem como o vento, para depois das 13h. Saio e sinto que, para meu infortúnio e de quem ia correr, a tempestade estava mais próxima do que anunciara.

Equipado faço-me à estrada rumo a Dem, localidade do Concelho de Caminha que acolheu a base operacional de toda a prova. Ali chegado, pouco passava das 6h, encontro o Carlos Sá a sair do Centro Cultural, abrigo dos atletas que ali pernoitaram. Cumprimento-o e trocamos as primeiras impressões.

- “Está a soprar forte…”, digo olhando o nosso primeiro obstáculo, uma subida às eólicas junto a Dem, a mais de 700 m, que parecia que ia ser feita ao som de trombetas. 
- “É da maneira que vocês se despacham!”, responde-me o campeão. “Só espero que não venha o pior antes da Sra.do Minho. Aí sim, é perigoso. O vento sopra muito mais forte, a encosta é mais exposta, e o piso escorregadio.” O comentário mostrava-me receio pelas dificuldades que nos esperavam, aos participantes, e a ele como dinamizador e responsável máximo da prova.

Levanto o dorsal, preparo-me e aguardo calmamente que o dia alvoreça e com ele venham as emoções de uma aventura longa e, esperava eu, divertida.

Divertidos, já todos junto à Igreja de Dem, aguardamos que tocasse a última badalada do sinal horário das 8 e zarpamos estrada acima. Tínhamos combinado, eu, o Luís Pires, o João Meixedo e o Vítor Dias irmos juntos, se possível com o Pedro Amorim, também dos Porto Runners, toda a prova. O ritmo a seguir seria o dos mais lentos, mas, na montanha, pouco olhámos para trás e, ao 3º Km já só restava eu e o Meixedo, que também rapidamente se adiantou. Eu, que sempre me poupo em subidas, deixei-me ficar no meu passo, sem forçar muito, e a desfrutar da bela paisagem sobre Dem. Chegado ao alto, o vento e a chuva fustigavam-nos forte e impiedosamente. Nunca tinha sentido aquela sensação de marinheiro que quer abrir os olhos e só o consegue se olhar para baixo. Impressionante. Dem abriga-se por detrás daquele gigantesco tapa-vento virado a Sul. Ali sim, a tempestade começara.

Lá em cima reagrupamos e fizemos a descida em ritmo de trote, com cuidado necessário para não cair, por um belíssimo trilho em calçada romana, que nos levou até ao não menos majestoso Mosteiro de S.João de Arga. A tempestade é que parecia não querer dar tréguas, a chuva era intensa e o vento…

Iniciada a segunda subida, rapidamente os meus companheiros de aventura se afastaram, seguindo eu num passo confortável e que não comprometesse o que ainda faltava. Afinal, tínhamos percorrido pouco mais de 9 kms e eu queria acima de tudo terminar bem, sem mazelas. O ritmo teria de o controlar com muito juízo ou estaria a comprometer a Maratona do Porto que se avizinha.

Depois da subida, novo encontro com a tempestade. A chuva era fortíssima, o vento impiedoso impelia-me para trás. Tinha tanta dificuldade em ver que parei para colocar uns óculos de protecção, mas a chuva era tanta que nem com óculos, nem impermeável, nada. Só havia um remédio: Continuar até ao próximo monte ou encosta que me abrigasse. Entretanto, a Dª Analice, figura maior do pelotão nacional, corria a meu lado e tremia de frio. Parei e dei-lhe um impermeável que tinha de reserva para a tal chuva intensa que deveria vir depois das 13h, mas que já chegara. Molhado como estava já não me iria fazer falta. A Dª Analice, simpática e divertidamente agradeceu com um “Brigado cara. Bacano!” 
Lá fomos trilho abaixo. A dificuldade que ela tinha a descer e o cuidado com que colocava os pés nas descidas mais técnicas atrasou-me um pouco, no entanto decidi ir junto com ela. Não era um sitio para deixar ninguém sozinho, muito menos com aquele temporal. Depois do abastecimento dos 15 kms, já na descida para o Rio Âncora, o Pedro Igor, membro do staff da prova, dá-me a notícia da interrupção da prova ao km 20 devido ao mau tempo. Diz-me para fazer a zona do Rio com calma, sem riscos, que só faria mais 4 kms. A subida à Sra. do Minho estava impraticável, o nevoeiro limitava a visibilidade e a acontecer algo, o socorro seria difícil, colocando em causa a segurança dos participantes.

Lá fui eu cheio de cuidados, preocupado em não atrasar os primeiros da prova de trail que tinham partido uma hora depois de nós e que entretanto já nos começavam a ultrapassar.

Terminados os 20 kms, encharcado, meteram-me num autocarro rumo a Dem para um retemperador banho.

Foi uma excelente organização, numa fantástica prova, que tem tudo para ser um sucesso no trail nacional. O Minho merece, o Carlos Sá, seu maior embaixador na modalidade, quis ser mentor e dinamizador deste desafio gigantesco, que é o de organizar um evento de dois dias, com Jornadas Técnicas (o que me parece inédito) com mais de 600 pessoas a participar. Nada falhou. Nada do que dependia de alguém avisado falhou. Foi impressionante a articulação perfeita de todos, inclusive da população.

A meteorologia é incontrolável, a única vertente que não depende do homem. A natureza, que todos nós tanto apreciamos é implacável, e cabe ao homem, em consciência, saber se está à altura de a ultrapassar ou não.

Como me dizia a minha irmã nesse dia, ao telefone, “Ainda bem que havia aí alguém com juízo, senão vocês não paravam”.

O meu muito obrigado ao Carlos Sá por tudo. E acima de tudo o mais que ele é como desportista e homem, a sua ENORME humildade. Porque só desiste quem reconhece as suas próprias fraquezas. Como diz o Dalai Lama, “Se descobrirmos que não podemos ajudar os outros, o mínimo que podemos fazer é desistir de prejudica-los.”

Venha daí o 2º Grande Trail Serra de Arga que eu e quase seguramente os demais, queremos voltar.

sexta-feira, outubro 21, 2011

Sport Zone

Isto é um dos exemplos do quão mal se trabalha em Portugal. Aconteceu agora mesmo comigo, e acabei de deixar esta mensagem no mural do Facebook da Sport Zone. Espero que não me metam em Tribunal...

"Como ser enganado numa loja Sport Zone: Entrar, ver um produto no catálogo Berg Outdoor 2011 (catálogo na loja), mais concretamente uma mísera bolsa impermeável, cujo preço é de 1,5€. Vais procurar no expositor respectivo e vês uma bolsa RIGOROSAMENTE igual, com as mesmas medidas, mas que custa o dobro, ou quase (2,99€). Depois de questionada, uma das colaboradoras da loja diz-me que as bolsas constantes do catálogo são antigas e estão esgotadas (!). Apesar de compreender a minha questão e indignação por estarmos a olhar para o mesmo produto, apenas com códigos diferentes, nada mais tinha para me dizer. As bolsas a 1,50 estavam esgotadas. Têm lá a mesma, mas com mais lucro. É a crise. Eu, que não gosto que façam de mim otário, e apesar da insignificância material da questão, vou embora, provavelmente comprar a mesma bolsa, muito provavelmente pelo mesmo preço ou mais, mas à concorrência. Porque quem trabalha assim não me merece como cliente."

IMG_0530IMG_0531

Porra, estamos a falar de uma insignificância, mas é por estas e por outras que as lojas em Portugal estão sempre a definhar de mofo. Nas promoções e tempo de saldos é que têm preços normais. No resto do ano parece que andam a gamar...

De referir que isto se passou na Sport Zone do Norte Shopping, mas curiosamente, a falta de formação do pessoal é extensiva às demais.

Droga

Acabo de ouvir o Presidente do IDT, Instituto da Droga e Toxicodependência em declarações a uma rádio, mostrar a sua preocupação com a anunciada extinção do dito. Parece que o trabalho até assegurado nos CAT será feito pelos Centros de Saúde.
O mais preocupante é que, alguns anos depois da criação e expansão da rede de CAT's não só aumentou o consumo, como aumentaram as doenças relacionadas com o vicio e seus riscos. Os jovens iniciam mais cedo o contacto com drogas (as chamadas leves) e vê-se gente a consumir droga por todo o lado, como se fosse algo normal. A descriminilização do consumo, e a deficiente aplicação da legislação que obriga a tratamento a quem é apanhado a consumir droga, levou a que, o acto de consumir droga, passasse a ser ignorado pela restante população, autoridade incluídas.
Esta velha teoria de esquerda de encontrar nos dinheiros públicos respostas para todos os males da sociedade, trouxe-nos a isto. Muitos milhões gastos em tratamentos de gente que não quer ser tratada, antes quer evitar a ressaca. E muitos mais em apoios que só servem para tapar o sol com a peneira, já que não é com um quarto pago pela segurança social, o passe da STCP e o rendimento social de inserção que se tira alguém da droga. Como me dizia um conhecido que dela saiu sem ir a nenhum CAT, a metadona é uma heroína que não bate.
Prevenção é o caminho.

domingo, outubro 16, 2011

Despenteado

Não, não estou a falar de mim. Estou a falar do texto que a seguir transcrevo e que acho fantástico. Desconheço o autor(a).

DEIXA QUE A VIDA TE DESPENTEIE
“Hoje aprendi que é preciso deixar que a vida te despenteie,
por isso decidi aproveitar a vida com mais intensidade…
O mundo é louco, definitivamente louco…
O que é gostoso, engorda.
O que é lindo, custa caro.
O sol que ilumina o teu rosto enruga.
E o que é realmente bom dessa vida, despenteia…
- Fazer amor, despenteia.
- Rir às gargalhadas, despenteia.
- Viajar, voar, correr, entrar no mar, despenteia.
- Tirar a roupa, despenteia.
- Beijar a pessoa amada, despenteia.
- Brincar, despenteia.
- Cantar até ficar sem ar, despenteia.
- Dançar até duvidar se foi boa ideia colocar aqueles
saltos gigantes essa noite, deixa o teu cabelo irreconhecível…
Então, como sempre, cada vez que nos vejamos
eu espero estar com o meu cabelo bem bagunçado…
E se estiver, pode ter certeza
que estarei passando pelo momento mais feliz da minha vida.
E quero encontrar você com o teu mais bagunçado ainda!
É a lei da vida:
sempre vai estar mais despenteado
quem decide ir no primeiro carrinho da montanha russa,
que aquele que decide não subir.
Pode ser que te sintas tentado a ser
um homem ou uma mulher impecável,
todo arrumado por dentro e por fora.
O aviso de páginas amarelas deste mundo exige boa presença:
Arrume o cabelo, coloque, tire, compre, corra, emagreça,
coma coisas saudáveis, caminhe direito, fique séria…
e talvez deveria seguir as instruções, mas
quando vão me dar a ordem de ser feliz?
Por acaso não se dão conta que para ficar bonito
eu tenho que me sentir bonito?…
A pessoa mais bonita que posso ser!
O que realmente importa é que ao nos olharmos no espelho,
vejamos aquele que devemos SER.
Por isso, a minha recomendação a todos que amo é:
Entreguem-se, comam coisas gostosas, beijem, abracem,
dancem, apaixonem-se, relaxem, orem, viajem, pulem,
durmam tarde, acordem cedo, corram, voem, cantem,
meditem, arrumem-se para ficar lindos,
arrumem-se para ficar confortáveis!
Admirem a paisagem, aproveitem, e, acima de tudo,
deixem a vida despentear vocês!
O pior que pode acontecer é que, rindo frente ao espelho,
vocês precisem se pentear de novo…
Aproveitem cada dia.

domingo, setembro 25, 2011

Free Running na Serra d’Arga com Carlos Sá

 

315413_283590588335607_100000540052325_1095249_1634033275_n (1)

Todos temos amigos, familiares ou apenas conhecidos, que nos dizem achar espantoso, o facto de termos tempo para treinar, correr, ter vida profissional e familiar e não nos queixarmos. É realmente admirável.

Mais admirável ainda, é o facto de cada vez mais pessoas fazerem parte deste enorme pelotão em que se está a transformar a corrida recreativa em Portugal.

Muita dessa evolução deve-se, na minha opinião, ao facto de haver heróis com histórias de vida pelas quais nos apaixonámos e nos revemos.

Qualquer um de nós, quando quer, tem tempo para fazer as coisas que lhe proporcionam mais prazer e em que melhor partido tira do tempo aplicado para o fazer. É a qualidade da ocupação que nos permite concluir se temos ou não tempo.

Ontem, pouco depois das 6h, nutridos e preparados, mais de 40 pessoas, com um único elo de ligação entre todas elas, o prazer de correr e a vontade de conhecer pormenores de uma prova que se avizinha, dirigiram-se, mais ou menos organizadas em pequenos grupos, para um Free Running na Serra de Arga.

O objectivo deste encontro, era, intenção do seu organizador, Carlos Sá, o de proporcionar uma ambientação ao terreno e às exigências que daí advêm, a quem se quer iniciar na prática da corrida em montanha e por trilhos na natureza. Como organizador do Grande Trail Serra d’Arga, o Carlos quis que alguns dos inscritos na prova tivessem uma primeira abordagem ao terreno, para que se inteirassem das exigências do mesmo e da diferença para as corridas de estrada e/ou pista visto muitos não terem sequer uma única experiência em trail.

Houve de facto lugar para alguns se aperceberem da dureza do desafio de subir uma encosta com 600 mts de desnível, em pouco mais de 2 ou 3 quilómetros.

Enfim, tudo contornado com a compreensão e ajuda de todos para com todos.

Chegados bem cedo a Dem, localidade do Concelho de Caminha que servirá de base à prova, começamos por ouvir, num pequeno briefing, os conselhos e advertências do nosso anfitrião, que, surpreendido pelo nº de participantes (44, quando tinham comunicado a presença apenas 33), pediu para que todos fossem colaborantes.

IMG_0426

Iniciamos logo de imediato com uma autêntica escalada de 4 quilómetros, com um desnível de 500 mts. Para quem desconhece a sensação, equivale a subir à Torre dos Clérigos. 7 vezes. Continuamente. Um quebra pernas à partida de uma prova de montanha é mesmo isso. Um quebra pernas, uma forma de selecionar logo no início e refrear os mais apressados. No nosso “estágio” foi a forma de descobrir quem estava habituado a correr e quem não estava em condições de subir à Torre dos Clérigos uma única vez.

Em vez de seleção, visto ser um convívio, um treino onde ninguém ficava para trás, houve celebração. Ali chegados, contemplamos deliciados a fabulosa vista proporcionada pela morfologia do terreno e pelas condições atmosféricas que permitiam, como se pode ver pela foto, ver até à foz do Rio Minho, junto a Caminha.

Foto de conjunto, toca a descer rumo ao Pincho. A meio caminho um primeiro abastecimento junto a uma das abundantes bicas de água, onde alguns se deliciaram com as castanhas que já se notam caídas pelos caminhos.

A figura da prova revela-se aqui. Enquanto me preparava para  “assaltar” a mochila do Vítor Dias para comer um indispensável abastecimento em forma de gel, aparece o já baptizado Brecas. O homem, com pouco mais de 6 quilómetros percorridos, já gemia de dores. Queixava-se de cãibras, esticava a perna, massajava os gémeos, mas nada o curaria daquele martírio. Achava que comendo, eventualmente uma coisa daqueles que os atletas comem, se tornaria um atleta. Não, o gel não traz resistência aos músculos, nem serve para os regenerar. Lá por se chamar gel não serve para modelar, como o do cabelo, nem para enrijecer. Não. É gel, porque é mais fácil de transportar e digerir, e porque concentra o essencial para manter a energia necessária para o continuo esforço físico. Mas o Brecas achava que não, que era a poção dos druidas. O Barbosa lá lhe deu um.

Chegados ao Pincho por uma encosta desnivelada, deparasse-nos  uma imagem fabulosa, linda. A natureza característica do Minho: Um verde a envolver formações rochosas com quedas de água esplendorosas. Quase por instinto, por celebração do momento, todos ficamos ali por alguns minutos a contemplar o fantástico quadro.

s340x255

E lá seguimos nós junto ao Rio Âncora numa parte do percurso muito técnica e que ainda não estava limpa da vegetação própria de um ambiente selvagem. Dali trouxe (eu e provavelmente mais alguns) uns picos nos dedos e bastante lama nas meias. Houve tempo para experimentar equipamento, de concluir que os bastões, nesta fase, atrapalhariam e de pedir a S.Pedro que nos dê um dia como o de ontem, nada de chuva ou nevoeiro, pouco sol e temperatura amena, a rondar os 18º. Obrigado.

IMG_0378

Rio fora, percurso partilhado com praticantes de canyoning, alguns curiosamente conhecidos de um ou outro corredor (há surpresas em todo o lado, Portugal é mesmo pequenino), lá fomos em direcção a S.Lourenço da Montaria, onde irá terminar a prova de 20 quilómetros.

Ali chegados, antes de iniciarmos a subida à Sra. do Minho, a mais de 800 metros de altitude, alguns dos participantes menos preparados, ou mesmo sem vontade, ou com cãibras, como o Brecas, regressaram a Dem numa carrinha que ali nos esperava precisamente para isso.

Encosta acima, pelo trilho que nos levaria ao final do nosso treino, fomos sentindo a temperatura a descer e a brisa, ligeira, a soprar. O silêncio da montanha a acompanhar-nos e os cavalos garranos ali ao lado, a pastar em grupos pequenos e a olharem-nos com alguma indiferença. No planalto, finalmente terreno para correr em ligeira subida, num esponjoso chão com erva encharcada.

IMG_0393

Chegados à Sra. do Minho, tempo para contemplar as vistas, Ponte de Lima ao fundo, Lanheses um pouco mais a Oeste. E ali ficamos a saber que vamos subir e descer aquela autêntica parede. Parede para nós, pista de séries para o Carlos Sá. Não é à toa que é um dos melhores do Mundo no trail. Um atleta fantástico, não me canso de o dizer, com uma humildade e simpatia única dos que nada têm a provar, mas que não se cansam de o fazer. Um campeão!

IMG_0389

Começamos ali a parte pior do treino, a que nos pôs pior do que os 1200 metros de desnível positivo acumulado. Preferíamos ter regressado a Dem a correr, do que transportados por um local, numa carrinha de transporte escolar que mais parecia a moto do poço da morte. Eu e o Vitor Dias sentados no chão, completamente enjoados, os demais agarrados como podiam aos bancos, e o motorista a garantir à mulher, via telemóvel, que estava a chegar para o almoço. Enfim, esperemos que as crianças tenham horários compatíveis com os hábitos gastronómicos do dito senhor, senão…

altimetria

Já com o banho tomado, e depois de uns alongamentos num parque infantil, em ambiente de agradável convivência, iniciamos a terceira parte do free-running. O piquenique correu lindamente, com os já poucos resistentes. Café tomado regresso a casa.

Ficamos todos com a sensação que o Grande Trail Serra D’Arga vai ser uma prova com excelentes condições. O Carlos Sá merece-o e tem feito um trabalho excelente na divulgação de uma modalidade de que tanto gosta e que tão bem nos tem representado por esse mundo fora.

Fica o agradecimento à disponibilidade demonstrada pelo Carlos, e a quem o ajudou a preparar este treino.
Dia 23 de Outubro lá estaremos.

Ficam as imagens recolhidas e compiladas pelo Carlos Sá e pelo Vítor Dias.

www.correrporprazer.com

quinta-feira, setembro 22, 2011

Gente que me faz confusão

Faz-me sempre imensa confusão que alguém se lembre de tudo o que lhe passou pela vida. Tudo e todos os que por ela passaram. É que simulam uma memória tão boa, tão eficiente, tão fotográfica, que se lembram mais facilmente da infância dos Pais, do que da vida adulta dos próprios.
Hipocrisia e caldos de galinha, cada um toma a que quer. Sim, eu sei que o ditado diz outra coisa, mas deu-me mais jeito assim.
Detesto hipócritas e cínicos.
E não gosto mesmo nada quando acham que me tomam por lorpa.

quarta-feira, setembro 07, 2011

Irritações

Detesto semáforos de controlo de velocidade!
Se são accionados a mais de 30 e eu vou a 20, porque raio passam para amarelo e logo vermelho?
Se for a 50? É igual! Mas de for a 100, já nem detectam. Vá lá alguém entender isto...
Entretanto, o verão voltou em força. Para irritar mais um pouquinho...

domingo, setembro 04, 2011

José Teixeira

Hoje, dia de treino longo, fiz-me ao caminho sozinho, manhã bem cedo, para uma volta à cidade.

Fiz os mais de 30 km's com o Sr. Teixeira, colega dos Porto Runners, no pensamento. O Sr. José Teixeira faleceu ontem, na marginal do Porto, onde tantas provas fez e onde tantas vezes treinou. Faleceu a fazer o que tanto gostava, correr.

A minha primeira maratona, coincidiu com a sua ultima. Terminou à minha frente uns segundos, e festejamos ali mesmo, com a tradicional  cerveja na mão.

Inscreveu-se para a Maratona de Milão, mas não a correu, disse, por não ter treinado o suficiente. Não deixou, contudo, de lá ir e, com a família, de nos apoiar e felicitar junto à meta.

Hei-de recorda-lo sempre como um simpático atleta de pelotão que todos gostaríamos de ser um dia.

Podem ler aqui um artigo escrito pelo Vítor Dias ainda antes da Maratona do Porto 2010.

Até sempre Sr. Teixeira!

sábado, setembro 03, 2011

Anúncios parvos

"Olá! Sou a Ana e tenho 40 anos. Hoje vim à praia com a família, depois de beber um iogurte que fez com que me desfizesse em bosta logo pela manhã. Assim pude fazer mais um dia feliz de veraneio com a barriga menos inchada!"
Digam-me que isto é tudo normal...

sexta-feira, setembro 02, 2011

Irritante criatividade

Irrita-me a criatividade de muita gente.

Do humorista/argumentista que encontra uma piada em todos os temas da actualidade e os transforma em riso.

Do escritor/pensador que encontra um tema e o desenvolve numa harmonia fantástica com a narrativa que nos cativa como um filme.

Da mulher que transforma um trapo em roupa, que faz de um olhar sedução, de um andar fascinação. Estas, em tudo o que é arte, são as que mais me irritam. Vejam que até provocaram o aumento do parágrafo, interrompendo um desfilar de artes facilmente elogiáveis e que tornariam este, num post realmente digno de crónica semanal de uma qualquer revista.

Mas como me irritam seduzem. Fascinam-me. Adoro-as. Gosto tanto de as apreciar que até tenho medo de o mostrar. E não, não é pelo lado sexual, sempre detestei o sexo como negócio e/ou choque visual, é mesmo pelo que insinuam, todos os jogos de sedução que mantêm no dia-a-dia, em tudo, ou quase tudo, o que fazem.

E são tão criativas… Que até irritam.

quarta-feira, agosto 31, 2011

Tempo e vontade

Há tempos assim, em que o tempo e a vontade não se conjugam.

Tudo seria perfeito se, quando nos dá jeito, os outros tivessem a mesma vontade que nós temos. Mesmo a meteorologia, que por estes dias nos trai com beleza cinzenta.

Tenho tido tempo, todo o tempo do mundo, mas faltou-me a vontade.

Mas está prometido, e em breve dou novidades.

Até fervilho com a ansiedade do momento.

Espero que não me falte o tempo agora que tenho a vontade!

sexta-feira, agosto 26, 2011

Humildade

Não sou muito, mas há gente que o devia ser exactamente à medida do ego que tem.

Há por aí tanto palerminha enfiado no alter ego, que de tanta arrogância exalar por quantos poros tem, mete asco do tamanho de um dia. E um dia com asco…

Enfim. O Mundo está tão bem feito, que até na paciência encontrou forma de nos acalmar, para que não desatemos todos à chapada a cada filho da…, bem a mãe deles não tem culpa. Portanto, digamos antes, a cada imbecil que se revela.
A humildade é tanto menor, quanto maior é a esperteza saloia. Infelizmente, neste burgo, os espertos, os cabrões e as vacas são os que melhor se sentem com eles próprios, e por consequência, sentem-se sempre superiores ao mundo que os rodeia.

Vem este texto a propósito de várias reflexões que não me apetece divulgar, mas que seguramente será familiar a quem não se revê no desenfreado abalroamento, que quem não quer saber dos outros, aplica no dia-a-dia, só para sentir o seu próprio mundo a “rolar”.

São tão hipócritas, que advogam para os outros aquilo que não conseguem/não querem ser/fazer.

Sem mais.

Continuem em frente, arrogantes e hipócritas deste mundo. Pode ser que a parede se levante e vocês choquem de frente contra aquilo que constroem diariamente.

quinta-feira, agosto 25, 2011

Iscas de bacalhau e cerveja fresca

O Porto é uma cidade bela. Mais bela do que conseguimos vislumbrar pelos trajectos normais, pelas vias principais desta nobre cidade. Temos a fabulosa cascata sanjoanina, exemplarmente cantada pelo Rui Veloso e demasiado inclinada para correr, pese embora haver quem o faça.

Hoje, dia de treino de rampas, fomos, eu o Vítor Dias, o João Meixedo, o Luís Pires e o Paulo Rodrigues, marginal fora, num percurso já por eles imensas vezes calcorreado e que fizeram o favor de me levar a ver as vistas. Confesso que estive inclinado (também nas subidas, e de que maneira) a dirigir-me a uma esquadra e denuncia-los por tentativa de homicídio, contudo, e após uma queda de um dos parceiros de treino, achei que seria abusivo da minha parte. Eu que até ando a baixar o ritmo cardíaco na corrida, eu que até já corro com regularidade médias distâncias, que me propus a fazer uma série de provas, sendo duas de distância superior a 40 km, não podia acusar o toque e virar as costas ao serpentear fantástico pelas vielas e escadarias que partem de e para a marginal.

Fui em passo adequado e acompanhei aqueles quatro motores afinados até ao fim. Mesmo na maior provação do treino: Um “desmoer” aconselhado por uma habitante da Ribeira, que na dúvida, decidimos acatar. 

A ex-Escola Primária nº1, que foi a do Paulo Rodrigues, e cuja localização muito deve ter contribuído para ele correr como corre.

 

Alguns dos caminhos que fazem parte do percurso e que estão integrados nos famosos Caminhos do Romântico da Cidade do Porto.

E assim vou revisitando lugares que de outra forma ia esquecendo.

 

Acreditem que estes 290 degraus custam a subir, principalmente depois de 10 km de sobe e desce constante.

domingo, agosto 21, 2011

Corridas, salmão e esparguete

Hoje, como faço quase todos os dias, fui correr.
Nada de especial, um treino longo com mais alguns colegas dos Porto Runners, com partida e chegada do Parque da Cidade do Porto.

Era suposto ter sido algo leve, apesar dos cerca de 30 kms planeados pelo Brandão, com ritmos adequados a cada um dos participantes, como é habitual. Tive azar. Aparecemos apenas 6, eu, o Vitor Dias, o Mário Carreira, o Luis Serra, o já referido Eduardo Brandão e outro colega, que nos era desconhecido.

Cheirou-me de imediato a esturro, mas, como não sou de desistir nem tão pouco de virar as costas às dificuldades, lá fui, esperançado que, pelo menos o elemento que foi e nenhum de nós conhecia, fosse semelhante a mim no ritmo. Nada disso aconteceu, como está bom de ver. Fomos, marginal fora, lançados a pouco mais de 5’/Km, tempo rápido para o que eu valho.

Ali pelas bandas da Ponte do Freixo, decidi virar para trás e fazer o resto do trajecto ao meu ritmo, na ordem dos 5’30/5’40 por Km percorrido. Acabei os 25 que fiz, bem, sem dores nem cansaço exagerado, e hidratado, já que fiz questão de parar em todos os pontos de abastecimento existentes no percurso, 2. Podem ver aqui o treino completo.

Entretanto, enquanto escrevia este post, fui ver o meu treino de há um ano, enquanto treinava para a minha 1ª Maratona.

Treino 22 Agosto

Que evolução. E que prazer me dá olhar para trás e ver os quilos que fui deixando e a transformação em algo parecido com um atleta.

Até já na alimentação pareço um atleta. Hoje fiz esparguete com salmão grelhado (estava a ver que não consegui meter isto no texto). Um prato incomodativo, pelo cheiro intenso que deixa espalhado pela casa.

sexta-feira, agosto 19, 2011

Tiro de partida

O ano passado, enquanto preparava a minha primeira maratona, li este artigo, escrito pelo meu amigo Vítor Dias, autor do excelente site sobre corrida, Correr por prazer, que sugeria como leitura de Verão o best-seller, Nascidos para correr.

nascidos para correr

O livro surpreende. Pela excelente e cativante narrativa, e pela motivação que nos incute para a corrida. E não, não é nada convencional, não nos maça com todas as teorias médicas e fisiológicas/psicológicas acerca dos benefícios da corrida, não ´pela vertente técnica ou teórica, é pela forma díspar e completamente fora do normal em que decorre a preparação e prova, de um grupo de atletas de eleição, que não deveriam ser. E são-no apenas por um motivo: Nasceram para correr. Eles como qualquer um de nós.

Mostra-nos porque corremos, porque gostamos de correr, e, principalmente, porque devemos correr.

E acreditem que nos ensina a correr. Sem stress, sem preocupações exageradas, sem a rigidez dos planos de treino e dietas rigorosas. Não, nada disso. Ensina-nos que, mesmo sem tudo isso, qualquer um de nós é capaz de correr mais e melhor, e assim, tirar maior partido do prazer da corrida.

Aconselho vivamente. Reli-o esta semana e inscrevi-me para isto e isto e ainda isto!

Está dado o tiro de partida para mais um período de provas e treinos.

Tudo por e com prazer.

domingo, agosto 14, 2011

Percebas

Não, não estou a falar do crustáceo, a que erradamente chamam assim (é percebe, ou perceve), estou mesmo a referir-me ao facto de entender ou perceber algo.

Não entendo esta sociedade. Conheço, aos magotes, gente hipócrita e falsa como Judas, alguns infinitamente pior do que os seus próprios fantasmas, gente que apregoa alguns princípios, que concorda com quase todos aqueles que são básicos numa sociedade decente, mas que vivem completamente à revelia de (quase) todos, desde que, ao viola-los mantenham o melhor para elas próprias.

Se perguntar a quem quer que seja, o significado de felicidade, advogam todos que a mesma terá obrigatoriamente de abranger quem os rodeia, mesmo que isso não seja verdade.

Há por aí quem consiga viver mentiras anos a fio, com o desejo supremo de se manter cómodo, mesmo que pouco ou nada feliz. Vivem mentiras, mentindo amiúde. Condenam a mentira e mentem em quase tudo o que fazem. Criticam os pobres que se mantêm ao abrigo de prestações sociais, ou os arrumadores que chateiam para amealhar o suficiente para a “dose”, mas mantêm-se em empregos onde não trabalham, onde se limitam a não produzir, ou onde enganam o suficiente para poder manter o cheque ao final de cada mês. Ou então, à boa maneira de quem “faz o que eu digo, não faças o que eu faço”, sugam a Segurança Social até ao limite.

Há-os também que mantêm relações por conveniência. Seja pelos filhos, pelo dinheiro, pelo estatuto, pela sogra, pelo cão, pelo sexo, pelo padre, enfim, por todos menos pelo que apregoam. Acham que são fiéis, mas sabem que não são. Vivem com infiéis que sabem que o são, mas mantêm-se assim porque sim. Porque há sempre motivos para não mudar, e a mudança dói.

Há os que mudam porque são mudados à força, há os que mudam e não queriam e há os que mudam sem saber.

Fico sem perceber é onde é que raio mete esta gente toda a palavra coerência. São todos opinadores, todos muito sérios, fiéis e dedicados, gratos, trabalhadores e honestos, mas na minha modesta opinião, não passam de falsos vestidos de gente.

O mal, para todos eles, é que não há mal que sempre dure, nem bem que não se acabe, e não se pode ter sol na eira e chuva no nabal eternamente. Há-de chegar o dia em que provarão do veneno que destilam pelos poros em atitudes de escárnio, inveja e maledicência. E aí, quando virem que entretanto o tempo passou e viveram como viveram, talvez percebam que não é olhando para o próprio umbigo, que se conseguem alcançar metas mais facilmente.

Vejam se percebem, o Mundo não é só vosso, nem a vida dos outros tem de ser como a vossa.

quinta-feira, agosto 11, 2011

Artur

Nasceu no verão de 1937, segundo filho de um casal agricultores, onde hoje tocam os dormitórios da grande urbe invicta. Mouriz, terra do famoso Zé do Telhado, no Concelho de Paredes era então uma pequena freguesia rural.
Em tempos de guerra, período em que tudo era racionado, em que o que se colhia da terra era confiscado, quando as necessidades eram mais que muitas e os filhos ainda mais.
Foi criado pelo Padrinho, dono de terras, agricultor remediado. Os seis que lhe seguiram foram sendo distribuídos pela ajuda na lavoura dos Pais, ou seleccionados por outros Padrinhos e Madrinhas que os vestiam, cuidavam e iniciavam nas lides agrícolas.
Por lá ficou até ir para a tropa. De menino teve a Escola, numa infância expresso, que cedo terminou e trocou pelo "Escritório", como lhe chama, em que a caneta era a enxada.
Depois de cumprido o serviço militar, entre poucas viagens a casa que o dinheiro não se via e as boleias eram proibidas, trabalhou num bananeiro, de onde fugiu depois de uma noite em que partilhou esteira com alguns percevejos. Conseguiu lugar numa Fábrica e rapidamente chegou a encarregado. Desistiu por troca com o sonho de carreira na Policia, podia ter sido agente da PIVDE mas ser bufo não era opção. Um processo complicado o de entrada na Policia de Viação e Trânsito, que incluía recomendações do Pároco e atestados de boa conduta.
Curso feito, Policia extinta. Nada de grave, passou para a PSP e inaugurou a Divisão de Trânsito do Porto, onde esteve 11 anos, e que aproveitou para enriquecer a formação académica.
5 filhos entretanto nascidos, o que, em pouco mais de uma década perfaz um currículo apreciável e regular, ingressou na carreira de bancário onde passou os restantes 26 anos de actividade profissional, em paralelo com uma preenchida família que foi acrescida de mais dois descendentes.
Vida complicada de uma pessoa simples, que tanto gramou e palmilhou. Irmão de sete, Pai de sete, criou-nos a todos com as dificuldades próprias da época, sem nunca sentirmos necessidade alguma. Fomos educados para respeitar tudo e todos, o que acaba por evidenciar toda uma filosofia de vida abrangente, onde mesmo o respeito pelos bens materiais, ou pelo esforço necessário para os ter, nos fez dividir uma espécie de partilha austera em que ter era quase sempre um período de posse limitada, à espera do que seguia na hierarquia. Nunca nos criou expectativas, mas sempre nos ensinou a não vivermos na ilusão.
Homem muitas vezes surpreendente, afável e pouco dado a quezílias, era conhecido entre os colegas do Banco como "Irmão Pinho" pela forma cordial com que dava sem esperar retribuição, espelhado no sempre presente "Se Deus quiser" que ainda hoje o caracteriza. Incapaz de guerrear, ensinou-nos que cumprir com o dever de cada um, era a obrigação de cada individuo enquanto integrante de uma comunidade, fosse familiar ou enquanto sociedade.
Recordo-me, ainda petiz, de, um dia, ao ir com o meu Pai ao dentista, às então instalações do SAMS (Serviço de Assistência Médica dos bancários) na Rua da Picaria, enfrentar um momento aflitivo, ainda no final da década conturbada de 70. Saímos do autocarro na Praça D. João I e, pouco depois do Rivoli, vemo-nos de repente no meio de uma carga do Corpo de Intervenção da PSP sobre manifestantes integrantes de um protesto não autorizado. Eu, cheio de medo agarrado ao meu Pai, fui tranquilizado pela sua atitude, quando calmamente me disse: "Se não fugires ninguém te bate. Quem não deve não teme." E lá atravessamos a Avenida dos Aliados incólumes. Foi sempre esta a sua postura. Foi e é.
Fomos todos criados num ambiente familiar calmo, onde todos colaborávamos, havia distribuição e responsabilização de tarefas, igualdade entre rapazes e raparigas (5 para duas, se assim não fosse seriam umas escravas) e organização. Não se falava alto naquela casa, quando o meu Pai lá estava. Sossego e respeito, resultaram em 7 adultos que, tenho a certeza, respeitam o outro.
Fica aqui a homenagem ao meu Pai, que fez ontem 74 primaveras. E apesar de ser pouco extrovertido, tendo sido sempre um Pai à antiga (a figura de chefe de família assenta-lhe na perfeição), é o meu herói de sempre, como demonstrou e demonstra tantas vezes pela vida fora, e que se tornou enorme naquele final de tarde na Av. Dos Aliados.
Parabéns Pai!

quarta-feira, agosto 03, 2011

Os otários pagam sempre e continuam otários!

Ilucidem os portugueses nos blogues, já que a comunicação social tuga, gosta mais de Noticias de gordos que emagrecem ou de doidas que se tentam suicidar. Tudo o resto, se não der para "gozar" ou para fazer umas peças jornalísticas de profissionalismo duvidoso, tipo anedota caseira, não é importante.
O contribuinte, vulgo otário, paga sempre, já que continua a ignorar os contornos das decisões políticas, papando como real aquilo que vê nos telejornais de desinformação diária.

In Blasfémias,

Coisas simples

Até à sua nacionalização, o prejuízo, as dívidas e as fraudes relativas ao BPN eram uma responsabilidade directa e exclusiva dos sócios do banco e do seu património.
.
O governo socialista de Sócrates ao nacionalizar o banco passou essas dívidas para os contribuintes.
.
Os credores privados do banco agradecem muito a Teixeira dos Santos terem recuperado 2500 milhões de euros do seu património privado que de outra forma teriam perdido.
.
Os contribuintes portugueses foram mais uma vez generosos, à força é certo, por terem contribuído para a felicidade de um pequeno grupo de seus concidadãos.
.
Quem tomou estas decisões de delapidação do dinheiro dos portugueses voltou a ser professor de …economia. Qualquer dia é comentador encartado na tv.

segunda-feira, julho 25, 2011

escritor

O titulo está em letra minúscula propositadamente.
Eu, que não sou Escritor nem me atrevo a pensar ser, faço uso do prazer de escrever.
Vou escrevendo pensamentos, estados de espírito, sentimentos e considerações.
Tenho dias bons e maus, actos bons e menos certos e opiniões sobre tudo isto e, essencialmente sobre a vida.
Há sempre quem se sinta pior do que tu, mas nunca há quem sinta por ti. O prazer, a angustia, a vontade e a conquista, não sendo as maiores ou as mais fortes entre todos, serão sempre as maiores para ti.
Colocas no que vives o peso do Mundo, mas o Mundo é grande demais para ti. Tens um Mundo só teu que pesa tanto como o real, mas que é mais imperfeito que o ideal. Parece que quando algo vai correr mal, corre mesmo, e que quando alguma coisa vais conquistar, fica sempre um pouco por ganhar. Nunca, mas nunca estamos satisfeitos com o que conseguimos alcançar, nem conformados com o que vamos perdendo. Mas na vida saímos sempre a perder, quando não a aceitamos como ela é: Egoísta umas vezes e altruísta outras. E se não reclamamos quando ganhamos, aprendamos então a aceitar as vicissitudes da vida com a complacência que ela merece.
O castigo de escrever enquanto aluno, enquanto miúdo que queria muito brincar e pouco estudar, deu-me a prática e despertou-me a criatividade.
A vida é como uma Mãe. Da-nos o que queremos e o que achamos que não precisamos, a todos por igual.
Afinal, somos seus filhos.
Escrever, para mim, é viver.

sábado, julho 23, 2011

Corredores todo o terreno

Eu, que achara a Corrida da Freita dura, mas que me tinha deixado um gosto especial pelo trail, acho agora que toda a corrida de montanha é dura mas deve ser apreciada. Foi o que fizemos hoje.

Há uns dias, quando fui informado da realização de um treino Free-Running na companhia do José Moutinho, grande impulsionador do trail em Portugal e um apaixonado pela Freita em particular, onde organiza a mais dura Ultra de montanha em Portugal, decidi na hora ir.

Organizados e distribuídos pelo menor número de carros possível, lá fomos chegando bem cedo ao Merujal. 9h da manhã, equipados a rigor, fomos em direcção ao Concelho vizinho de S.Pedro do Sul, rumo ao Parque de Campismo Retiro da Fraguinha, donde haveríamos de iniciar o treino Free Running, como o nome indica, sem competição, com liberdade de andamentos, mas, como referido pelo José Moutinho no briefing, onde todos se preocupam com todos.

Lá partimos, rumo à aventura, sem a pressão de uma prova, mas com andamento vivo.

Os primeiros dois quilómetros, em subida ligeira até aos 1026 m (tínhamos começado nos 920), fez-se por um terreno bastante acidentado e com muitos tojos, que nos picavam as pernas e atrasavam o andamento, já que as ultrapassagens não se verificavam. Os mais astutos tiveram de esperar mais uns quilómetros para dar asas à destreza. Já no alto, na garra, onde emborcam vários trilhos (cinco no total dão acesso àquele local, daí o nome), novo briefing do Moutinho para nos mostrar alguns dos locais de passagem da Ultra, num ponto magnífico, de onde se pode apreciar uma grande parte do Maciço da Gralheira.

Iniciámos então a descida rumo à aldeia da Póvoa das Leiras pelo famoso Trilho dos Incas, que, ao que parece, ligava originalmente à aldeia de Covelo de Paivô, em Arouca. O nosso guia, Moutinho, que tinha como intenção dar-nos algumas dicas sobre técnica de trail, inicia a dita descida com uma simples explicação sobre como colocar os pés para manter o equilíbrio e evitar entorses, o grande inimigo dos corredores de montanha e que viria, mais à frente, a vitimar o próprio Moutinho. Quando demos conta, ninguém! Nem Moutinho, nem os que o conseguiram acompanhar, não víamos ninguém abaixo de nós. Lá seguimos, com um novo guia, o Manuel Veloso, de um pequeno grupo que se havia formado e que, atentos ao chão que pisávamos, não nos preocupamos com direcção diferente da que levávamos enquanto houvesse trilho. E o dito acabou mesmo, junto a uns postes de alta tensão, e sem sinais do resto do grupo. Num topo de mais uma montanha, ao fundo uma antiga mina de exploração de volfrâmio, um rio, uma estrada em terra, mas corredores nem vê-los. Toca a fazer soar o apito, que alguns levavam e que serve para chamar os atletas e sinalizar a localização de uns e outros. Com silêncio, aguardamos resposta, mas sem sucesso. Chega entretanto o Carlos Rocha e orienta-nos. Tínhamos falhado uma viragem à esquerda nos Três Pinheiros, uma espécie de cruzamento em montanha, que divide trajectos, e que o próprio já falhara, dois anos antes na Ultra da Freita. Lá recuamos os dois quilómetros que já havíamos descido desde as ditas árvores, que alinhadas e únicas num raio de umas centenas largas de metros, faziam de sinal de trânsito, junto com umas mariolas (pedras sobrepostas, colocadas por pastores, que servem como marcos) que assinalavam o local para encarreirarmos, literalmente, de novo no grupo. 

Reagrupados, seguimos em passo tão acelerado quanto possível, rumo à Povoa das Leiras, onde nos abastecemos de água, fresquíssima,em simpática convivência com os (poucos) habitantes locais com que nos fomos cruzando, inclusive com algumas vacas arouquesas que serviram de modelos aos fotógrafos de ocasião. Alguns dos que já sofriam da dureza do percurso e suas vicissitudes (quedas), atalharam caminho rumo ao ponto de partida, os demais, seguimos empedrado abaixo, rumo à aldeia do Candal. Com a grande maioria sedenta de corrida, o ritmo aí acelerou, até demais face ao percurso, com muitas pedras soltas, mas onde os mais experientes nos passavam com uma velocidade que assustava os menos avisados. O Moutinho, conhecido pela sua destreza, ao colocar um dos pés sobre uma pedra solta, torceu-o, ficando com uma pequena lesão, que, contudo, não o impediu de continuar. Já no Candal, começa a cruz. Quatro quilómetros em subida, com percentagens grandes no início, um desnível de mais de 400 metros, e um sol implacável sobre nós, que fez da subida da Mizarela uma bela recordação. Encosta acima, atrás do Jorge Azevedo, que se iniciou na corrida em Janeiro, mas, a fazer jus ao ano em que nasceu (1967, ano da Cabra no horóscopo chinês), já tem um enorme à vontade naqueles terrenos, seguimos em fila e com pouca vontade de fazer comentários. Olhávamos para cima e parecia que vinha sempre uma subida ainda mais inclinada. Uff!!! Dura, muito dura, atendendo ao calor que se fazia sentir àquela hora do dia (12h) e já com mais de 2 de treino. Vou ficando para trás, passa-me o Fernando Leite, a Conceição Grare, o João Vieira, todos com poucas falas, (excepto a Conceição, que é atleta de outro nível, e que vinha calmamente a falar ao telemóvel), apenas a preocupação de saberem se eu estava bem. Eu lá dizia que sim enquanto bebia mais um pouco de água, não fosse desidratar, mas a “penar”. Chegado a pouco mais de meia subida, passa o Manuel Veloso. “Mau”, penso, “parece que, não tarda, rebolo até ao Candal outra vez”. Não foi preciso. Como diz o Freitas (um dos atletas que acompanhou o Moutinho e que ajudou a guiar-nos) no trail, começamos a matar e acabamos a morrer. É mesmo isso, penso. E mesmo assim gostámos!

Chego, a transpirar em bica, ao alto, onde já o grosso do grupo aguardava à sombra de algumas árvores que ainda restam, já que os incêndios têm destruído, também ali, quase toda a floresta, sento-me por momentos, poucos, já que, a malta toda se preparava para atacar a parte final do troço, rumo ao Parque da Fraguinha. Uma outra hesitação no início da descida, mas, já no rumo certo, lá fomos trilho abaixo, a correr e a pular de pedra em pedra, por uma descida para destemidos, que acabava no ponto de onde partíramos e de onde regressaríamos ao Merujal.

Já depois de tomado o retemperador e refrescante banho, iniciámos a prova principal. Sopa da Pedra, Vitela estufada, acompanhada de arroz e salada. Vinho e cerveja para repor líquidos, que nem só de pó vive um runner.

Parabéns cantados ao Rui Vilar, que discursou eloquentemente e agradecimentos do nosso Presidente, em nome de todos, ao José Moutinho, que os retribuiu, lá regressámos ao rebuliço da Cidade que nos dá o nome, com mais uma experiência agradável na montanha.

Obrigado a todos pela companhia num excelente dia (mais um) de corrida.

Somos mesmo todo-o-terreno!   

sexta-feira, julho 22, 2011

Cruel ingenuidade

Moro numa praia onde são descarregadas, literalmente, milhares de crianças e idosos, para ali poderem gozar a época balnear juntos com os demais utentes de escolas, atl's e lares de terceira idade ou centros de dia.
Hoje pela manhã, quando um grupo de idosos se cruzavam com uns miúdos que aguardavam instruções das educadoras, os petizes desataram a chamar "velhotes" aos... Velhinhos.
Não gostei da passividade dos monitores das crianças, mas adorei a reacção dos idosos; com ar jovial, soltaram umas caretas engraçadíssimas, como se fosse um duelo entre jardins escola. Os miúdos, pasmados, quedaram-se incrédulos.
A ingenuidade pode ser cruel. Mas só mesmo para quem vê, porque para aqueles anciãos, com muitos anos de "bagagem", não passa de uma oportunidade de continuar a viver o dia-a-dia, como se fosse o primeiro dos últimos, enquanto os outros se sentem com o Mundo inteiro só para eles.

quinta-feira, julho 21, 2011

Oportunidade perdida

Não, não foi um golo falhado. Mas só porque não foi num jogo de futebol.

Foi como se uma janela se abrisse, e eu, enquanto prisioneiro de uma cela sem porta, não a tivesse visto. A nortada que vai soprando nestes dias de verão (?) fez com que não sentisse a corrente de ar, que provocou quando escancaradas as portadas.

A vida na maioria dos dias parece um jogo de espera, uma espécie de montaria de caça grossa em que o caçador, silencioso, aguarda numa porta sorteada a passagem das peças. E há com cada peça…

Surpreendo-me muitas vezes com feitios, com o efeito que as pessoas acham que ainda me provocam. E não sendo fácil provocar-me, não deixa de ser muitas vezes oportuno incomodarem-me com a mesquinhez, inveja e egoísmo que caracteriza muitos dos imbecis que por aí pululam.

É no entanto nestas altura, que sinto que a oportunidade que a alguns foi dada, não passou de uma balda, uma oportunidade perdida na esperança que sempre ponho em todos os relacionamentos que inicio.

E depois, há aquelas oportunidades que tanto esperamos, e que quando chegam, algo nos fez desviar a atenção, olhamos para outro lugar e quando voltámos a procurar, já passou.

Estas, às vezes doem. As outras, dou de barato.

terça-feira, julho 19, 2011

O País das sete colinas

Sempre que leio uma notícia relativa a assaltos, distúrbios ou agressões no Portugal rural, reparo nos lamentos de população, autoridades e políticos locais, relativamente à falta de efectivos das forças de segurança, normalmente da GNR.

Espanto-me quando leio que, só em Lisboa, esta força de segurança tem cerca de 6.000 (!) efectivos. Compreendo. Pode haver alguma invasão do Terreiro do Paço, como em Abril de 1974, e não estar por lá a força civil necessária à manutenção da ordem. É a chamada segurança de proximidade… Do poder, claro. Estão ali para, como em tudo neste País, coordenar a Guarda desde a Capital.

Lisboa tornou-se uma espécie de capital de império, de onde devem partir as colunas em conquista, e sem território ou povos para conquistar. Limitam-se a engordar os arquivos centrais com papéis e mais papéis, enquanto o resto do burgo está a saque.

Entretanto, também lá pela capital, o Reitor da Universidade Católica, anunciou a aprovação de um conjunto de recomendações, quanto à indumentária que deve ser usada por todos os que frequentam o conceituado campus académico. Assim, e como se pode ler aqui, Manuel Braga da Cruz, que preside ao Conselho Académico, deu como exemplo um conjunto pitoresco, “chanatos e camisola do Benfica”, que atesta bem das preocupações a que já chegou a reflexão do dito Conselho.

Dois exemplos de desperdício de tempo: O dos efectivos da GNR que deveriam estar pelo País fora a fazer aquilo para que foram formados, que é garantir a ordem e a segurança publica, em vez de se dedicarem a burocracia, e o do Conselho Académico da Católica, que se deveria preocupar mais com a pedagogia, a fim de evitar que um estudante universitário desconhecesse qual a indumentária adequada para frequentar um espaço público de ensino.

segunda-feira, julho 18, 2011

E o que fazer enquanto esperas?

Enquanto esperas que a vida te dê o que tu esperas dela, vai fazendo coisas que possam coincidir com aquilo que precisas que aconteça.
Se esperas mudança, não esperes sem a provocar, porque quem espera nem sempre alcança, porque para alcançar é preciso lutar.

Vícios sociais

Há quem ache o simples acto de ir beber um café um vício. Eu, enquanto adicto de cafeína, não tenho tal ideia. Acho que o dedo no nariz substituiu definitivamente a bica e o queque.
Não sei qual dos dois vícios será pior, mas andar pela rua fora a escarafunchar orifícios que não o devem ser em público, não me parece nada social. Ao contrário da cafeína, as bolas que fazemos dos macaquinhos que extraímos dos orifícios nasais, não nos fazem despertar, nem tão pouco nos proporcionam conversas de circunstância. Tentem observar o gesto mais repetido pelas pessoas enquanto esperam que o semáforo passe a verde e vão ver que uma grande percentagem limpa a "penca". Em período estival, usa-se muito o tirar o macaco e, com o braço bem de fora, formar a bola até que caia.
Caso se desloquem em transportes públicos, o acto mais repetido deverá ser o de coçar partes íntimas, ritual tido como obrigatório para não se ser assaltado. Ou então, deverá pôr de parte o uso de qualquer desodorizante, viajar de pé e agarrar-se a um varão bem alto.
Nos autocarros, caso encontre alguém conhecido, fale bem alto, para que todos possam ficar a conhecer um pouco mais de si.
Como estamos em época balnear e há pouco disto na rotina normal, como qualquer "socialite", desloque-se a uma praia, que os hábitos sociais se mantêm por lá.
Tirar macacos do nariz, coçar os tomates, mijar na água e mandar os meninos fazer o mesmo (se for necessidade sólida, fazem num balde de brincar com a areia e depois enterram), depois de esvaziar a geleira, são os vícios mais vistos pela orla costeira.

sábado, julho 16, 2011

O Grupo Impresa e o jornalismo sério

Acho imensa piada a estes jornaleiros que se acham grandes investigadores, e que lançam notícias como a de hoje do Espesso.

Apesar de todos os desmentidos, mantêm a notícia e noticiam-na de hora a hora no canal de notícias do grupo, verbalizando-a como uma história e não como uma alegada história.

O director do jornal, acha que tem toda a razão e não retira uma vírgula. O, presumido, investigado é entrevistado em horário nobre, como se o caso fosse a prioridade do País. Eu, livre, mudo de canal.

Estes jornalistas, que advogam para si mesmos a inocência, quando em causa, até provado o contrário em Tribunal, investigam e noticiam com a certeza dos carrascos quando executam sentenças.

Não gosto do estilo bate no grupo ao lado, antes que batam em ti.

Desarrumado e saudoso

Sabem, aqueles sapatos que não queremos deitar fora?

Aquele momento que queremos prolongar, que por nada desejámos que acabe?

Aquele dia perfeito de praia, que nos faz prolongar até ao limite o recolher da toalha, o sacudir a areia dos pés e voltar para casa?

Aquele dia de final de férias, que curiosamente se torna perfeito, em que tudo corre tão bem, que a ultima coisa que desejámos é fazer-mo-nos à estrada e voltar?

Aquele beijo, aquele momento, aquele abraço, aquela palavra, aquela frase que nunca mais saía e que quando a dizemos não queremos que não a ouçam?

Sabem quando olhamos para ali, para o que queremos e conseguimos, e de repente termina? Sabem?

Esta música faz-me lembrar esses momentos, leva-me para aquele tempo em que não havia tempo, em que o limite era o inimaginável, em que o Mundo não me conseguia parar, em que tudo era perfeito quando visto daqui, deste tempo. No fundo não seria, mas a juventude deixa-nos esta memória de imortais e grandiosos dias e feitos.

Eram os tempos em que os dias pareciam semanas, as semanas meses e os meses anos.

Agora os anos parecem meses. A vida passa-nos ao lado, leva-nos tudo, somos marionetas do stress e da rotina. Não devíamos. Eu, sinceramente tento não ser, e sofro as amarguras daí resultantes, mas não trocaria esta forma de viver por outra.

Sinto o sal da vida todos os dias. É assim que deve ser!

 

segunda-feira, julho 11, 2011

(O)Pinar

Anda tudo numa de opinar. Toda a gente tem opinião sobre tudo e mais alguma coisa. Até eu opino.

Uma agência de rating, coisa que nada nos dizia até há algum tempo atrás, analisou a situação… blá, blá, blá, blá, blá…

Pois.

E agora somos lixo. Basicamente foi isso que passou para o grande publico.

O Angélico levava cinto, mas cortaram-no para o tirar do carro. A julgar pela opinião do bombeiro. A GNR diz que… blá, blá, blá, blá, blá, blá…

Pois.

O homem morreu. Temos pena. Era giríssimo e namorava com uma tipa de olhos trocados, mas que desfila sorridente uma semana depois. Os outros? Esses não interessam, não são “Morangos”.

O Tony Carreira não se queixa da crise, tem o apoio do Continente, que assume os riscos dos concertos, que são zero. As sopeiras vão todas aos concertos patrocinados pela marca do Shôr Engenheiro Belmiro, depois vão lá à loja comprar cachecóis para levar aos concertos, com o respectivo desconto em cartão. Que é para acumular e continuar a gastar. Entretanto sai um talão para o Tone ir à Galp abastecer, preferencialmente ao Domingo, e vai daí sai na bomba de gasolina outro talão para descontar no hipermercado.
Crise? Qual crise? Vai tudo em família aí pela estrada fora, uns aos concertos ou piqueniques e outros beber umas minis enquanto a mulher solta a libido no meio da multidão e sonha com o dia em que sai o novo CD do homem do capachinho.

Agora até na compra de seguros, telecomunicações e manjericos, há descontos para acumular em cartão. Consta que até a Rozete, dona do bordel cá da terra, vai fazer uma parceria com o Shôr Engenheiro, a ver se as massagens dadas pela Delmia, que veio de Minas Gerais, contem para acumulado de compras.

O Goucha há-de ser o escolhido para a campanha publicitária.

Crise económica? Só se a malta não puder (o)pinar.

Eu opino.

O Zé povinho? Esse “pina” a paciência de quem não a tem, enquanto que, os que a têm, vão fazendo negócio à custa de suas cabeças que estão mais abaixo do nível com que a Moodys avaliou a nossa dívida pública.

Pinem então, que é o que nos resta.

terça-feira, julho 05, 2011

Ultra Trail da Serra da Freita 2011

Hoje, dia seguinte ao da prova, já recuperado da Frecha da Mizarela, ainda me doíam todos os músculos responsáveis por nos prestar suporte para subir um obstáculo. Não que tenha sido uma prova daquelas para que tenha treinado afincadamente, das que nos obrigam a longas semanas de planos com séries, rolamentos e técnicas de corrida, nada disso. Na Freita nada suplanta o querer.

8h da manhã, nevoeiro serrado, frio (o termómetro do carro indicava 12º) e eu a chegar ao ponto de onde já tinham partido os participantes da prova rainha, os 70 km que dão nome à dita, 4 horas antes. Saio do carro e rapidamente regresso. Chiça, faz frio! Em baixo, no meio do parque de campismo que serve de base à corrida, alguém se move com um saco-cama enrolado às costas, e eu ali, de t-shirt e calções, arrependido de não ter levado uma camisola térmica. Enfim, 2 horas de espera depois, junto-me ao João Meixedo, ao Vítor Dias e ao Vasco Batista, englobados no grosso do pelotão, juntos com os demais Porto Runners presentes,  depois da foto da praxe, e do tiro de partida, arrancámos para a dita.

A minha mania de me juntar a gente rápida, leva-me rapidamente a ponderar e regressar ao ritmo normal de quem nunca tinha andado em nenhum trilho sem ter às costas uma mochila bem pesada, umas botas calçadas e uma G3 ao ombro. Como flechas disparadas rumo aos mais de 1000 metros de altitude da Freita, vejo ao longe os que comigo partiram, e, como se não fosse a subir, o grupo do nosso Presidente passa também com excelente ritmo.

“Há-de haver por aí uma descida para os apanhar e acompanhar”, pensei. De nariz no ar num qualquer ponto mais alto, a tentar decifrar quem seriam os corredores que estavam a atravessar uma pequena ponte(?) e pumba! Resvalei com o pé numa pedra solta. Resultado: Grande tombo. Por sorte foi num trilho que tinha mais terra e lama do que pedras, e, “apenas” rasguei as meias que me protegiam as pernocas, com uns consequentes arranhões nas mãos e pernas. Lama já tinha com fartura com apenas 3 kms de prova e a lição mais importante a retirar desta façanha: Um trail faz-se a olhar para o chão, nunca a olhar para outros pontos onde não se vão colocar os pés.

A correr, que ainda se podia, rumo ao 1º ponto de abastecimento, no 5º km. Paro para beber e aparece a Joana Leite com um lanço, que só deu para arrancar e tentar acompanhar aquele ritmo louco com que ela e a amiga Teresa saltavam de pedra em pedra em cada descida, por mais inclinada que fosse. Em estilo cabra montês, lá fomos até ao 2º abastecimento, ao km 11.

Até aqui nada de assustador. Conseguimos correr a pouco mais de 7’ de média por km, o que, a julgar pelo que me tinham já falado da Freita, me parecia um feito digno de registo. Ainda mais impressionante seria o ritmo dos da frente, já não via ninguém no horizonte. De repente, quase parado no meio de um trilho, o Vasco, com quebra de forças provocada por uma indisposição gástrica. Tento ficar por ali, não me parecia um local muito aconselhável para deixar alguém naquele estado, muito menos um amigo. Fico. O Vasco não queria que parasse, quase que me batia, enquanto praguejava com o tempo médio por km. “Nunca tinha corrido tão devagar”, dizia. Mandou-me embora, mas fui ficando. Começamos a descida para o Rio Caima, que vindo da frecha, proporciona uma imagem deslumbrante. Descíamos enquanto uns caminheiros ocasionais subiam. Fantástica imagem, linda paisagem, fabuloso País que temos. Embevecido por tudo aquilo, preocupado em não cair, “empurrado” por mais uns quantos concorrentes que nos tinham apanhado, adiantei-me ao Vasco. Ao chegar ao rio, 300 m de altitude menos em relação ao início da descida, vejo-o em cima, junto com outros corredores. Como não vinha só, segui trilho fora. De repente vejo-me a trepar literalmente de gatas, uma parede. À  minha esquerda a famosa corrente cravada na rocha, que se ali não estivesse o equilíbrio seria quase impossível. Um grupo de três atletas, habituados àquelas andanças, seguiam-me trilho acima, animados e a animar-me. As pernas não me doíam, mas já não via muito bem… “Ainda aí vem pior”, diziam-me. Cada vez que achava que estava a acabar aquela tortura, erguia-se mais uma parede na nossa frente. Foram 2 km em pouco mais de 40 minutos. Agora percebo quando o Mark Macedo diz que não percebe como é possível fazer subidas daquelas rápido. Há quem faça. E por incrível que pareça, os concorrentes da Ultra, fazem aquela subida depois de 65 km de prova, e alguns não a acham a mais dura, mas já houve alguns que ali chegaram e desistiram.

Ao chegar ao fim do trilho, a Lina, esposa do Vasco e nossa fotógrafa de serviço (excelente sempre), junto com o filho Diogo, anima-me e vislumbra com a objectiva da máquina fotográfica, ao longe com um grupo, o marido. Descansado, sigo até ao final, com o trio que me acompanhou naquela terrível subida, cruzando com eles a meta.

Depois de terminar, depois do banho de água fria, do almoço e da roupa seca e lavada, já confortavelmente a almoçar, eis que o speeker da prova anuncia a chegada dos primeiros classificados da ultra. Com 8h e 45 minutos de prova, de mãos dadas, cruzam a meta. Inédito, contudo demonstra o altruísmo de ambos, ao atribuírem a proeza ao companheirismo que, provavelmente, tiveram durante a corrida. O terceiro chegaria mais de 30 minutos depois, os restantes foram chegando, soltando descargas de adrenalina ao passar a meta e ao se abraçarem aos amigos ou família que os esperavam. Ou a descomprimir de tal forma que nem uma palavra conseguiam dizer. É um feito notável, a ver pelos 17 de amostra que tive, fazer 70 km serra acima e abaixo.

Parabéns a todos os que, num Domingo de Julho, às 4 da madrugada saíram do quentinho para desafiar o frio e a serra com todas as armadilhas que ela nos proporciona. Não posso deixar de destacar os atletas da minha equipa, Porto Runners, que participaram na Ultra. Imagino o que todos sofreram, mas sei que, em equipa, como sempre, tudo suplantaram.

Nós os que por lá andámos uma ou duas horas, ficámos com uma ideia do que eles passaram.

Até ao próximo desafio!       

quinta-feira, junho 23, 2011

Elas

Gosto delas, acho-as fantásticas. São, na minha opinião, a melhor criação da natureza. Personificam mesmo, a suprema mestria que Deus teve, ao desenhar os componentes do Mundo.

Gosto muito de ver uma mulher ao volante. O poder fica bem na maioria das mulheres. Gozam de facto, de uma beleza e de uma elegância supremas quando lideram.

199

A imagem de Assunção Esteves na cadeira da Presidência da Assembleia da República personifica uma mulher de sucesso, cheia de elegância, bonita, inteligente e sagaz. Não que sejam todas assim, há mulheres mais jovens que se parecem já gastas, e outras mais maduras que se eternizam na juventude, mas a maioria das mulheres de sucesso, conseguem transformar o mundo delas num mundo de elegância e charme.

O homem tem mais dificuldade em conseguir tal proeza, não foi feito para cuidar, para prolongar ou fazer brotar beleza onde ela não existe. Aquela mestria de dar vida e de dela cuidar, missão que a elas foi entregue, é única e facilita-lhes o acto de seduzir o mundo que as rodeia.

Elas têm tanta arte em si mesmas que se invejam mutuamente. Um homem conta o seu maior segredo a um amigo, mesmo que recente, desde que nele sinta alguma confiança, já uma mulher…
Não será fácil encontrar no Mundo a determinação, vontade, beleza e sensualidade de uma mulher.

Agora na casa da democracia portuguesa quem manda, como deve ser em qualquer casa, é também uma mulher.

quarta-feira, junho 15, 2011

Enquanto pensam…

Enquanto pensámos nas formas ideais de vida, no sucesso, na realização pessoal e na felicidade, há quem se vá entretendo com outras coisas que os fazem felizes.

No último Domingo, celebrou-se em Portugal, mais precisamente em Coimbra, o Dia mundial de tricotar em público (??). Um grupo de 20 senhoras exultava com os seus tricots e pontos de cruz. Havia uma jovem que mostrava orgulhosamente umas peúgas de lã que estava quase a acabar. Muito úteis nesta época.

Hoje, deparo-me com uma notícia que fala num estudo americano que anuncia ao mundo que, os homens que lavam a louça, têm uma melhor vida sexual. Será por prémio, digo eu. Ou então será pelo cuidado em não partir a louça. Diz ainda que, quanto mais tarefas domésticas os homens cumprem, mais felizes são as mulheres. É normal, ninguém fica triste com a colaboração e ajuda de alguém que seria suposto estorvar. Afinal, os homens também sabem agradar…

Já as mulheres, segundo um estudo sueco, são geneticamente mais predispostas às depressões, alterações de humor e ansiedade. Não sei se estes dois estudos estão relacionados, mas imagino que uma mulher, ao chegar a casa e ver a cozinha de pernas para o ar, cama por fazer, sanitas com tampas para cima e roupa espalhada pelo chão, não possa fazer um ar propriamente sensual ou mesmo de agrado. Provavelmente amua, faz o que acha que deve fazer (elas normalmente gostam das coisas arrumadas) e, à noite, no sossego do quarto, dedica-se a tricotar em privado, para depois o poder fazer em público.

Enquanto um homem pensa porquê, elas já vão no como…

segunda-feira, maio 30, 2011

REALidade

Ontem, depois de uma corrida tardia e sob uma chuva torrencial, decidi dar uns mergulhos. Souberam-me tão bem, como se ainda tivesse 16 anos, e o estivesse a fazer com um grupo de amigos depois de uma partida de futebol ao fim da tarde, numa praia do grande Porto.
A nossa realidade é magnifica. Transforma-nos, por instantes, em crianças que quisemos deixar de ser, e a que recorrentemente tornamos.
Conseguimos com gestos de satisfação transformar qualquer momento numa realidade que nos fica gravada na memória. Em tudo. Não me recordo de quase nenhum dia na praia em especial. Lembro-me em geral de dias intermináveis passados no areal ocupados com brincadeiras de crianças ou de adolescentes a recrearem-se. Mas das idas à praia em dias de chuva lembro quase todos como dias marcantes e incrivelmente satisfatórios.
Curioso como a diferença na nossa realidade nos revela o fantástico de um momento diferente, que nos transporta para uma idade diferente, e que sabe lindamente. É nestas alturas que nos apercebemos que a nossa real idade é quase sempre adequada ao nosso contentamento. Quanto maior o prazer do momento, mais novos nos sentimos!

sexta-feira, maio 27, 2011

Mudança é vida

A vida passa ao lado de muitos dos que nascem.

A evolução trouxe-nos aqui, a este mundo estranho de conveniências e de bem-estar.

O ser-humano vive com uma insatisfação decorrente de querer tudo e de não conseguir quase nada.

Enquanto novos queremos independência, não queremos estudar, não nos apetece obedecer e, na ânsia sôfrega de pular do “ninho”, damos passos atrás, à frente, muitos para o lado, até chegarmos à desejada estabilidade, profissional e pessoal. Com tanta vontade de encontrar essa estabilidade, muitos colam-se na mais conveniente, na que foi mais trabalhada por uma das partes intervenientes no processo de construção da dita relação, seja pessoal ou profissional.

E quando achamos que já tudo encarreirou, vem a vontade de mudar. Nunca estamos satisfeitos. E depois, é um corrupio de emoções e de impulsos, que dominámos com a maturidade, mas que levam muitos à depressão ou à desistência por KO. Ninguém, ou poucos são os que ensinam a contornar as desilusões.  Dominados pelas circunstâncias e vicissitudes da vida deixámo-nos levar, não pelos Pais, mas pelo bom-senso. Que nunca bate certo com a vontade.

Mas a essa vontade chama-se viver. As histórias que mais nos fascinam enquanto crianças são as do final “e viveram felizes para sempre”. Mas, à medida que vamos acumulando vida e vivências, o que nos fascina, a mim seguramente, é a capacidade de todos aqueles que buscam a felicidade ou a realização pessoal, de mudar, de correr riscos, de partir em busca do que tanto desejam. E esses, mesmo quando fracassam, ao chegar ao fim da linha, sentem-se preenchidos pela vida, pelo sal que lhe deram.

O que fica na memória nunca são os fracassos, são os passos que se dão para fracassar.

terça-feira, maio 24, 2011

Preço justo

Nesta vida tudo se paga.

Já todos ouvimos tal expressão.

Há expressões que espelham a nossa realidade com uma exactidão violenta.

Alguém me dizia há uns tempos que, sempre que queremos alguma coisa, sempre que almejamos uma meta, um objectivo, um sonho, se houver outra pessoa implicada, tudo se torna mais difícil, porque nem sempre o que nos convém, convirá ao(s) outro(s).

Há sonhos que inevitavelmente implicam mais alguém. Seja por participação directa, seja pela influência que têm nas nossas vidas. Esses são os mais difíceis, porque, normalmente, são os que têm tantos efeitos colaterais que transcendem o próprio, logo, estão sempre na dependência da bondade, vontade ou aceitação de alguém.

Passamos, egoisticamente, as nossas vidas a desejar muito, muitas coisas, criámos expectativas, defraudamos algumas, somos correspondidos no amor, no trabalho, nas amizades, na vida em geral… Ou não.

Em miúdo nunca sabia onde acabava o respeito e começava a ousadia excessiva até levar um estalo. Nunca conseguia decifrar o ponto em que “podia”… Ou não. Nalgumas situações era demasiado ousado, noutras demasiado respeitador? Não entendia. O preço? Levar ou não uma chapada. Enfim, havia sempre quem tentasse.

Um sinal que achamos que damos, mas que quem pretendemos que o entenda, nem se apercebe de tal. Um acontecimento que desejamos, que está prestes a desenrolar-se e, um contratempo atira para o lote dos “never happened”.

Enfim, passámos as nossas vidas em apalpadelas de sinais, de consensos, de encaixes de vontades. Somos correspondidos, às vezes fingidos, nunca sabemos se sim se não.

Que raio, tinha tudo isto de ser tão complicado?

Tinha quem nos programou de nos dar uma consciência que tanto nos trava os impulsos?

No trabalho, na vida pessoal, na família, na roda de amigos, no desporto…

Há sempre um “…e se eu…?”

Não há fórmulas perfeitas. A vida é o que é, somos nós que a fazemos, somos nós os condutores do nosso “carro”.

Mas há um preço para as interrogações e para as hesitações. Normalmente são as frustrações.

quinta-feira, maio 19, 2011

História

A história vai sendo feita do sumo dos dias. Apesar da muita parra e da, consequente, pouca uva, temos vivido dias históricos.

Tenho a sensação que a história que vai ser escrita pelos cancioneiros dos nossos dias, incluirá umas páginas sobre um indivíduo que, apesar de bom tribuno, não passa de um charlatão.

Como somos um País pequenino, não temos originalidade na criação ou no pensamento de novos ou diferentes sistemas políticos, mas fomos o País que despoletou uma nova forma de fazer barulho, de protestar, de fazer política sem ser político. Foi aqui, neste cantinho a sudoeste da Europa que começaram os protestos da sociedade civil contra a chamada classe política, na qual poucos se revêm.

Ontem em Madrid, capital do Reino de Castela, um movimento semelhante, protestou em força contra os políticos lá do sitio, e como Madrid tem mais algum impacto no resto da Europa, os protestos contagiaram outros pontos do velho continente.

A diferença é que, em Espanha, Zapatero levou em consideração os ditos contestatários e, num assomo de bom-senso, disse que aqueles deveriam ser ouvidos e respeitados.

Por cá, ou melhor, nós por cá, achamos que o protesto que por cá decorreu, não foi mais do que uma marchazita de uns putos “à rasca”, que entretanto se afogaram numas bejecas servidas numa barraquita académica da queima das fitas.

O Zapatero cá do sítio chora em pré-campanha. Se lhe tiram a mama nem sabe o que fazer. O outro canta. Os outros assobiam. Todos se acham sociais e todos prometem não tirar a mama aos que vivem da “teta” do estado.

O mentiroso primeiro continua a tratar os portugueses como um bando de ignorantes, que certifica qualificados, com uma redação onde descrevam aceitavelmente o percurso de vida, e a quem pede que o voltem a por no poleiro. A ver pela quantidade de gente que continua a dar dezenas de milhar de euros a desconhecidos, para trocar por “novas notas”, qualquer licenciado em Engenharia, mesmo que ao Domingo, os engana bem. É mete-los num autocarro, e, por uma bifana e uma bandeira, eles apoiam e votam.

Os da esquerda prometem o impossível. Com esses ia-mos rapidamente à falência, não sem antes haver prisões políticas e uma debandada do capital e dos empresários.

O Portas acena à esquerda e à direita, num populismo tal que até sobe nas sondagens. Quanto mais se mente em Portugal, melhor se fica na fotografia. Mesmo a comunicação social se sente na obrigação de enaltecer o “excelente comunicador, e excelente táctica eleitoral”, ou seja, o vazio de ideias e a vulgaridade nas intenções, é para esta gente, sinónimo de boa intervenção política.

O cantor, é criticado por ter um programa. Toda a gente o critica por ter criado, com a ajuda do homem dos pentelhos que chefiou uma equipa criada para o efeito, um verdadeiro guia de liberalização do estado, uma revolução, considerada por muitos meritória e que deveria ser discutida. Mas não agora, dizem eles. Agora é altura de fazer campanha, de mentir ao povinho, como é tradição.

E depois admiram-se de ninguém acreditar nos políticos. Eu pessoalmente não acredito é nos jornalistas, esses é que fazem passar o que lhes apetece, o que choca. O que deve ser discutido é muito maçador. As notícias em Portugal só são notícia quando puderem ser esmiuçadas nas “tardes da Júlia”, ou no “Goucha”, caso contrário são muito maçadoras.

Está-se a fazer história.

Com o beneplácito de todos está-se a enterrar o período em que a Europa mais cresceu, melhor viveu e mais esperança de vida deu aos seus habitantes, e por consequência ao Mundo.

Com esta forma de vida democrática, em que todos mentem durante as campanhas, para depois darem as machadadas nas legítimas ambições das pessoas, tornam-se coveiros do sistema.

Vai chegar o dia em que a revolta contra o sistema político e o capitalismo que o suporta, será imparável. E tudo porque acham anormal falar verdade e claro às pessoas, que são o que mais importa.

Tenham juízo. Mudem a história enquanto é tempo.

sábado, maio 14, 2011

Vítor Dias

E porque este também é um blogue sobre corridas, aqui fica a apresentação em vídeo de um dos grandes responsáveis por este modo de vida que adoptei, a corrida.

O Vítor é o mentor do site que mais uso como “muleta” da minha preparação, e o site, bem como o livro, que me levaram à aventura de saltar da mera recriação para a distância mítica, a Maratona.

Considero-o como amigo e intitulo-o como meu Padrinho na corrida. Agradeço-lhe a paciência de me aturar sempre que o chateio com alguma dúvida que me assola. 

http://tv.cm-porto.pt/arquivo/zoom-camara/depois-das-seis-prog-3 

Obrigado Vítor!

sexta-feira, maio 13, 2011

Pentelhos

Enquanto alguns os discutem, como disse Eduardo Catroga, outros analisam o programa que o PSD apresenta ao País.

Francisco Assis acha que o dito programa tem um mérito, diz ao que vai. Refere que é contra, que agora até pode parecer muito correcto, mas que o problema não é o facto do Estado ter domínio sobre todas estas questões, que o problema só se coloca porque há uma crise de financiamento externo. Financiamento externo? Pergunto eu. Financiamento! Não tem de ser externo. Só tem que ser assim porque a economia não consegue gerar recursos suficientes para pagar todos os serviços que o Estado acha que mais ninguém é capaz de prestar.

E o que diz o dito programa?

Diz claramente que o Estado deve sair da posição predominante em tudo o que mexe com a vida das pessoas.

Diz que os serviços de saúde não têm que ser prestados no estado para serem comparticipados, coisa que os sindicatos não admitem que seja alterado nos benificiários da ADSE, por exemplo.

Diz que os pais podem escolher a escola para os filhos, pagando o Estado o mesmo valor, seja pública ou privada.

Diz que acabará com os Governos Civis. Eu gostava de saber porque é que ainda não acabaram. Será que foi só para “albergar” alguns candidatos autárquicos derrotados, como o Governador Civil de Aveiro, José Mota, derrotado surpreendentemente em Espinho?

Diz que terá menos Ministros que qualquer outro governo, não mais do que 10. Diz ainda que reduzirá drasticamente o nº de Secretarias de Estado, bem como o nº de assessores.

Diz ainda que vai privatizar o que resta das já privadas EDP, PT, GALP, REN, CP e mais, muitas mais. Acham mal? Eu não. Evita casos como o de Rui Pedro Soares, que enriqueceu na PT só porque era amigo de Sócrates, ou casos como o de Fernando Gomes, actualmente na Galp, ou como o de José Penedos da REN, ou ainda como o caso de muitos outros ligados ao PSD e que também por lá pululam.

E diz muito mais. É só ler.

Nada me choca nestas medidas, aliás, acho que finalmente apareceu alguém que está disposto a acabar com muita da mama que por aí há, e a malta da comunicação social discute pentelhos.

A definição de pentelho está aqui, para quem a desconheça e refere precisamente aquilo que Catroga quis dizer: Coisa mínima ou de pouca importância.

sexta-feira, maio 06, 2011

Patriótico ou nacionalista?

De esquerda ou de direita?

Se é de esquerda é patriótico, de direita é nacionalista.

Se é de extrema-esquerda é irresponsável, ou romântico; da direita já se torna perigoso.

Esta máxima criada no período pós-revolução é tão levada a sério e tão temida que, até o PP e o seu líder, se vêm na obrigação de fazer uma colagem aos ideais comunistas de emergência com os desfavorecidos.

Temos por onde escolher? Pouco. Quem como eu quer menos Estado, treme sempre que surge uma proposta nesse sentido, com o titubear constante de quem, à direita, deveria saber explicar as vantagens de tirar o Estado da economia e dos serviços que os privados conseguem assegurar com mais qualidade e melhor gestão dos recursos disponíveis.

Ainda não houve ninguém suficientemente convincente nessa missão. E é urgente que alguém tome esse lugar sem medo da chamada “opinião pública”, que, na minha modesta opinião é mais publicada que publica.

sexta-feira, abril 29, 2011

Relato

Embora não seja este o objecto do Tripas e Nortadas, acho que é aqui que devo registar esta humilde opinião.

Este Porto é, seguramente, Vintage, ao contrário do de Mourinho, que me parecia mais uma equipa feita para ganhar. André Vilas Boas fez uma equipa espectáculo. Cada jogo é um hino ao futebol.

Apreciem o relato, realmente neutro, de um jogo de futebol. É o minuto a minuto descrito pelo repórter do The Guardian enviado ontem ao Dragão, para descrever aos leitores o desenrolar da partida referente às meias-finais da Liga Europa.

 

Andre-Villas-Boas-001

With the manager of Real Madrid testing out elaborate methods of being banned from football sine die, football could soon be on the lookout for a new Jose Mourinho. Oh look! Here comes one now!

Yes, it's André Villas-Boas. He's just won the Portuguese league with Mourinho's alma mater, Porto, their current record being P27, W25, D2, L0, F64, A13. His side are in the Portuguese Cup final too, as well as the semi-finals of this, having lost only two cup ties all season. He's 33 years old. He's got matinee-idol looks. He's not designed to make you feel better about yourself.

He's not that great at playing football, is about all you can pin on him. He never played professionally, only getting into the game after pestering Bobby Robson for a job at Porto in the mid 1990s.

And we're off! Porto start full of confidence, as you'd expect. Cristian Rodriguez heads a long ball on for himself down the left and hoicks a cross to the far post for Falcao. Diego Lopez hooks the ball away from the striker's head. Ten seconds had elapsed when that had happened.

2 min: Villarreal have hardly touched the ball yet.

5 min: Nilmar looks to scoot down the right wing. Alvaro finds himself in the book for a late lunge, flipping the Villarreal man high into the air.

7 min: Nilmar misses a golden opportunity to give the away side the lead. He's offside by half a yard, but nevertheless allowed to scamper free down the inside-right channel after Valero's pass. He romps into the box and decides to aim for the bottom-right corner, but Helton is wise to his game and parries the ball wide of the post. The corner is wasted. This is a very open start.

10 min: Hulk attempts to swing a free kick into the box from near the right-hand corner flag. His effort doesn't clear the first man. "Ever since the group stages last year, I've sent an email to MBM-ers in every round of the Europa League telling them that that they were all wasting their time, as Andre Villas Boas would lead Porto through a succession of effective performances to the final in Dublin," writes Declan Johnston. "Everytime I was ignored and my email not published. So tonight, I don't know what I want. If you publish this email, I stand to finally get recognition for my foresight, or I will inevitably bring a jinx on myself and Porto will lose 5-0 and I'll look very silly. I think I'll leave my fate in your hands." It's a no-win situation, though, because even if Porto win 5-0, anyone reading this will simply assume that the unpublished emails are a figment of your fecund imagination. These are cynical times. I believe you, though.

14 min: So much for that fast start. This is pretty dull all of a sudden.

17 min: The Yellow Submarine make another couple of sorties down the right through the exciting Nilmar, who both times very nearly breaks clear along his wing. Porto have enjoyed most of the ball, but created very little. Villarreal are carrying more threat of the two, the home side asking for trouble with a very high offside trap.

20 min: You're all out getting gaddered on booze tonight, aren't you. The damage Will and Kate are doing to the nation's collective liver.

23 min: Hulk takes a free kick from 30 yards out. Three rugby points.

25 min: For the nth time in this match already, Nilmar zips free down the right. He gets to the byline and cuts the ball back into the centre past Helton, but Rossi can't convert from close range, bundled out of it by three blue-and-white shirts.

27 min: Hulk is booked for simulation. Do people still use the word simulation? No. He's dived. Anyway, he was chasing a ball into the Villarreal area down the inside-left channel alongside Musacchio, who goes to slide in, then thinks better of it. Hulk doesn't notice the defender's withdrawn his leg, though, and falls over an imaginary challenge. That's a brilliant decision by the referee.

29 min: Porto are being ripped apart at will down the right. Now it's Rossi who tears clear and sees his shot-cum-cross bundled out. From the corner, Marchena attempts a shot from the edge of the area; it's fielded easily by Helton.

31 min: From a central position 25 yards out, Hulk drops a shoulder, edges to the left, then whips a low shot inches wide of Diego Lopez's right-hand post. The closest Porto have come so far, though the keeper had it covered.

34 min: Are you drinking beer? Are you drinking gin? Drinking from a glass? Or swilling from a tin? OK, I'll level with you, I'm bored. This is dismal.

36 min: This is getting old. Two more attacks for Villarreal down the right, one ending with Rossi dinking over the bar from eight yards out in the middle, another clanking off Nilmar's shin. I assume the heralded Villas-Boas is doing nothing about the glaring hole in his defence because Villarreal seem to be on a mission to cock up every chance in as many different ways as possible.

40 min: The Pedro Mendes lookalike Sapunaru cuts inside from the right and shoots wide left.

43 min: God help us.

45 min: GOD HAS HELPED US!!! Porto 0-1 Villarreal. It's been a terrible half of football, but if one team deserved to score, it was the visitors. Predictably, it's come down the right, Nilmar sauntering down the wing in acres before clipping a cross towards the near post, where Cani heads home with the greatest of ease. No defenders in this description, you'll notice.

HALF TIME: Porto 0-1 Villarreal. That Porto defence. Dear me.

And we're off again. You lucky people. "What a dull game!" cries Christoph Wagner. "Villareal deserved the goal but what was the Porto keeper doing? Awful. Yesterday wasn't particularly enjoyable to watch but this game is almost torture to watch."

46 min: Guarin has a lash from distance. The effort just about stays in the stadium. "If he is as good as many say in the intelectual interpretation of an ongoing game then Mr Boas might want to have a look at why on earth he hasn't bothered to change anything so far," writes Ben Dunn. "I'm unaware of the Portuguese for hairdryer, but he needs to avoid a Fergie bollocking and go straight for a Pleat-like analysis of why they are being over-run."

48 min: A ball's rolled straight down the inside-left channel to release Cazorla. He's free into the area, but pulls an aimless cross into the centre instead of shooting. That should have been 2-0, and Porto haven't learned a thing from the first half.

49 min: PENALTY!!! AND GOAL!!! Porto 1-1 Villarreal. Falcao chases after a ball down the inside-left channel into the away area. Diego Lopez comes out at his feet, and though he withdraws his arms, he's too late to stop the striker clattering into him. The keeper is booked - and the next thing he does is pick the ball from the net, Falcao getting up and hammering home an unstoppable effort.

51 min: Cazorla wants to hang his head in shame for missing that chance.

52 min: Nilmar races clear down the right for the umpteenth time. He Cazorlas a low cross that's bundled away by a defender, when it was surely easier to find one of three team-mates in the centre for a tap-in. Villarreal have been outstandingly profligate this evening.

54 min: It's a much better spectacle now, though. Moutinho sends a free kick from the right towards the near post, allowing Rodriguez to head powerfully wide right. That wasn't far away, and a very good effort.

58 min: Hulk takes the worst free kick in the history of All Football. With the box loaded with team-mates, he rolls a pass down the right wing where there are no blue-and-white shirts. The ball turns through 360 degrees about four or five times before being intercepted by a yellow shirt, the player half-surprised at being on the end of such a ridiculous pass.

61 min: Guarin tries to chip Diego Lopez in the Villarreal goal from 35 yards. It's not a bad effort, only just floating over the bar, but even so.

62 min: GOAL!!! Porto 2-1 Villarreal. Guarin gets his goal. He tears down the inside-right channel and into the box. He reaches the byline, checks back, and hammers a shot towards the bottom-right corner. Diego Lopez isn't gettting beaten at his near post, and parries brilliantly, but Guarin is the first to the bouncing loose ball and stoops to head home from close range. What a turnaround. To repeat Ben Dunn's question: what's the Portuguese for hairdryer?

64 min: Porto so nearly score their third straight from the restart, Rossi bundling an effort wide right. Only just wide right, too. Porto were appalling in the first half, but they're now showing the confidence of a team that's only lost twice all season. Villarreal look stunned at the way this half has developed.

67 min: A change for the Yellow Submarine: Valero is replaced by Mubarak.

67 min and a bit: GOAL!!! Porto 3-1 Villarreal. This is beginning to look like a rout. What an odd turnaround. Hulk breaks clear down the right, enters the box, and skelps a crisp cross into the centre, past the drawn Diego Lopez, for Falcao to tap into an empty net.

70 min: The difference between Porto's first-half performance and their second-half display is so marked, you'd be forgiven for wondering if Villas-Boas has been employing rope-a-dope tactics.

72 min: A subfest. Porto exchange Rodriguez for Varela, while Villarreal make two swaps: Nilmar and Cani depart, Ruben and Matilla arrive.

74 min: Catala is booked for a ludicrous lunge on Hulk. He'll miss the second leg of this. Meanwhile here's Oliver Lewis with The Gag Someone Had To Make regarding the first Villarreal substitution: "So that's where that Egyptian dictator went! Do they have room in the squad for Gadaffi?" That's that out of the way, then.

75 min: GOAL!!! Porto 4-1 Villarreal. From the resulting free kick, the ball's whipped into the Villarreal box from the right. With the away defence static, Falcao completes his hat-trick by Keith Houchening a spectacular diving header, guiding the ball deliberately into the top-right corner. That's such a lovely finish, even if the defence was all over the shop.

77 min: Porto have been simply outstanding in this half. Mind you, Villarreal appear to have totally fallen apart.

79 min: Guarin is replaced by Souza.

81 min: This stadium was almost silent for the majority of the first half. It's buzzing now, though.

83 min: Helton is booked for steaming out of his area and deliberately handling the ball under pressure from Rossi. Presumably he's not sent off because the tussle is out by the corner flag, the ball is bouncing and spinning in the cricket style, and he's falling over, thus making it look accidental. Saucy Helton, because Rossi was looking to nick away with that ball, and send it into a packed goalkeeper-free area.

85 min: James Rodriguez is Porto's final substitute, and it's Hulk he's replacing.

87 min: On Channel 5, commentary team Dave Woods and Pat Nevin are cracking gags about Fyodor Dostoyevsky. You don't get this on Soccer AM.

90 min: GOAL!!! AND FOUR FOR THE FANTASTIC FALCAO. Porto 5-1 Villarreal. From a corner on the left, Falcao meets the ball 12 yards out, level with the right-hand post, and guides the ball into the top-left corner. That's another beautifully placed header. This is some performance by the striker, and by Porto. After an opening 45 minutes of the purest tosh, too!

FULL TIME: Porto 5-1 Villarreal. On the back of this match, I think we can safely say that football is a game of two halves. There's a maxim we should look to popularise; pass it on. Anyway, that 45 minutes of outstanding attacking football should have booked Porto's berth in the Dublin final, ensuring an all Portuguese affair. As for the Spanish side, well, the best that can be said is that Riquelme's penalty miss is no longer Villarreal's biggest European semi-final choke. "The wee genius of Mr. Boas seems to have turned that round reasonably well," concedes Ben Dunn. "Looks like the pre-game plaudits were earned." They certainly were, Ben. All hail the power of André's secador de cabelo!